< img height = "1" width = "1" style = "display:none" src = "https://www.facebook.com/tr?id=680156339038325&ev=PageView&noscript=1" />

Cultive a cultura da comunicação não violenta e motive colaboradores

Se você ainda não  leu sobre Comunicação Não Violenta (CNV) esse post foi feito especialmente para você. Vamos mostrar como uma comunicação “rapadura” (dura, mas doce) pode motivar equipes e consequentemente aumentar suas vendas.

Isso é mágica? Não. Trata-se de compaixão, empatia e estratégia. Esse artigo conta tudo sobre o tema e auxilia a colocar em prática a CNV para melhorar suas conexões.

Neste post você vai encontrar:

  •  O que é comunicação não violenta?
  •  Como aplicá-la no dia a dia e transformar a relação com seus colaboradores.
  •  Como uma comunicação saudável influencia diretamente nas vendas.

O que é Comunicação Não Violenta (CNV)?

Antes de falar sobre a Comunicação Não Violenta ou CNV, é importante entender o que é comunicação.
Nós acreditamos que, por ser algo natural, sabemos fazer bem e conhecemos a fundo. Mas, a comunicação está além do falar e ouvir.

Está nos gestos, nas expressões, na compreensão e no sentimento. Existem diversas maneiras de se comunicar e a tecnologia tem nos auxiliado cada vez mais.

Mesmo assim, ainda há formas mais eficientes para se comunicar sem ferir. Justamente neste contexto que o psicólogo americano Marshall Rosenberg trouxe o conceito da CNV no livro “Comunicação Não Violenta”.

O objetivo principal é lembrar a nós humanos como deveríamos nos tratar, nos comunicar e nos expressarmos.

Nesse contexto o uso das palavras e a linguagem são usadas de uma maneira mais leve para fortalecer a nossa capacidade de nos mantermos humanos.


O que quer dizer “nos mantermos humanos”?

Na correria diária, queremos ser mais práticos, produtivos e conquistar bons resultados. Nessa ânsia nos esquecemos que falamos com pessoas e pessoas sentem e pensam de maneira diferente.

Por isso, é importante falar e ouvir com o coração. Isso significa ter empatia e antes de dizer algo que possa ferir o outro pensar em “como me sentiria se alguém falasse assim comigo?”.

Os elementos da Comunicação Não Violenta

O conceito de CNV tem como base 4 elementos principais. Sendo eles a observação, o sentimento, as necessidades e o pedido. Os quatro são utilizados juntos e podem diminuir a nossa posição defensiva e nos tornarmos mais receptivos ao próximo. Gerando assim mais compaixão e empatia.
Abaixo descrevemos cada um deles.

Observação

Geralmente quando observamos estamos julgando algo. Esse julgamento vem carregado com nossa cultura, educação e o que acreditamos.

Na maior parte do tempo falamos sem nos preocuparmos com a forma como o outro irá receber a fala.

Isso fica claro quando observamos os comentários nas redes sociais. Os “haters”, os odiadores, como são chamados estão sempre denegrindo a imagem de alguém com palavras pesadas.

Muitas vezes essa forma de agir é inconsciente. A pessoa não acredita que o outro vá ler ou não entende como o outro se sente em relação aquilo.

Saiba como se relacionar nas redes sociais

O que o Marshal nos propõe é que façamos uma observação sem julgamento e possamos dizer claramente como nos sentimos.

Abaixo o exemplo de um diálogo que pode acontecer.
Comunicação:
– Você fala de uma maneira burra.
Com CNV seria:
– As suas duas últimas frases ficaram desconexas.

Neste contexto você elimina o julgamento e posiciona o seu pensamento com fatos. Sendo assim, quem está ouvindo se sente mais confortável em repetir a frase para que a compreensão seja melhor.

Sentimento

Nosso dia pode oscilar entre os sentimentos de medo, raiva, alegria ou tristeza. Na Comunicação Não Violenta, esse sentir está relacionado com o que sentimos ao observarmos uma situação.

Ela estimula que você diga de forma clara como se sente em determinada situação. Geralmente no calor do momento falamos o que não deveria ter dito, nos arrependemos ou nos fechamos.

Dessa maneira não nos posicionamos como profissionais e adultos que somos. O que a CNV propõe é que você respire e diga claramente, sem julgamentos, como se sentiu.

Vamos analisar a seguinte situação como exemplo:

O vendedor disse ao cliente que determinado produto estava em falta. O cliente agradeceu e foi embora.
Mais tarde ao olhar no estoque, você (que é o gerente/dono(a)) encontrou 50 itens do produto que ele disse não ter. Você se irritou e chamou o vendedor para aquela conversa.

Gerente nervoso(a) diz:
– Você é um péssimo vendedor. Como é possível dizer que não tem produto e eu encontrei 50 deles no estoque?
Com CNV seria:
– Me sinto incomodado quando você dá uma negativa ao cliente sem antes conferir o estoque. Eu encontrei 50 itens que você informou ao cliente estar em falta.

Percebeu que você passou o recado de uma maneira menos rude. Quando o feedback à equipe é muito duro, ela tende a se rebelar e o retorno pode ser o contrário do que você espera.

Isso pode resultar em um pedido de demissão ou baixa produtividade, por exemplo. Qualquer um dos dois é tóxico para uma empresa, distribuidora ou atacadista por impactar diretamente na receita.

Necessidades

Esse conceito está relacionado ao valor que queremos gerar a quem está nos ouvindo. Ao nos comunicarmos a partir de nossa observação, sentimentos e necessidades, as chances de sermos atendidos sem sermos julgados e avaliados são maiores.

Aqui é importante entender que não devemos pensar que estamos errados ou há um culpado. Devemos partir pelo princípio das necessidades que queremos ver atendidas.

Vou usar o mesmo exemplo que usei acima. A necessidade desse gerente é que o vendedor seja mais atento e confira o estoque antes de dar a negativa ao cliente.

Mas, é preciso falar isso sem que gere nele a sensação de “incapaz”. Portanto, a frase ficaria assim ao incluirmos a necessidade.

– Me sinto incomodado quando você dá uma negativa ao cliente sem antes conferir o estoque. Eu encontrei 50 itens que você informou ao cliente que estavam em falta. É importante, para mim, que você confira antes de dizer não ao cliente.

Ficou claro o que você pediu sem ferir ou gerar a sensação indesejada ao colaborador.

Pedido

Por último e mais importante vem o Pedido. Aqui é onde reconhecemos as necessidades, a observação e o sentimento. A partir de então fazemos um pedido claro.

Vamos continuar no mesmo exemplo já citado e acrescentar o pedido na frase. Veja como ficaria:

– Me sinto incomodado quando você dá uma negativa ao cliente sem antes conferir o estoque. Eu encontrei 50 itens que você informou ao cliente que estavam indisponíveis. É importante, para nós, que você confira antes de dizer não ao cliente. Por favor, verifique o estoque sempre que houver a necessidade.

Dentro das empresas é comum encontrar gestores que fazem pedidos com ameaças ocultas. Muitas vezes funciona e o pedido é atendido. Mas, não é eficiente, pois o colaborador não se sente parte do processo e isso o afasta da operação gerando desmotivação.

Para conquistar novos resultados e mais vendas, é preciso ter a equipe dedicada e com a sensação de pertencer ao grupo. Quando usamos a Comunicação Não Violenta, nos aproximamos das pessoas e geramos conexão com elas.

Como colocar em prática a CNV?

Até aqui falamos sobre a teoria para que você entenda como a CNV funciona. Agora, é importante saber como colocar a comunicação não violenta em prática.

Lembre-se: você vai sentir dificuldade no início. Mas, depois tudo se torna natural. Veja abaixo o passo a passo para aplicação.

Passo 1

Seja honesto com relação ao que você sente. Não se prive ou deixe que a situação te fira. É importante expor o seu sentimento diante de uma atitude ou ação.

Passo 2

Demonstre empatia e se coloque no lugar do outro. Pense antes de dizer e diga o que precisa de maneira clara e respeitando os 4 elementos.

Passo 3

Ouça com atenção o que dizem a você. Não tente formular respostas antes da pessoa concluir o que está dizendo. Ao responder tente expressar palavras de bondade, afeto e construtivas.

Conclusão

Comunicar-se bem não é um dom. É uma habilidade que podemos desenvolver ao longo de nossas vidas. E a Comunicação não Violenta se encaixa para nossos relacionamentos pessoais, profissionais, negociações diplomáticas, disputas e até conflitos.

Quando mantivermos a nossa atenção direcionada aos 4 elementos, iremos manter um fluxo de comunicação clara. Portanto, para conseguir ter relações mais prósperas é importante que você saia da zona de conforto. Deixe de dizer o que pensa e passe a pensar no próximo com mais afeto e compaixão.

Que tal começar hoje mesmo?

Assine a nossa newsletter para ficar por dentro de tudo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.